domingo, 2 de junho de 2019

O que é sagrado é o que é matematicamente harmonioso



               Alguns leigos observam os rituais e as disciplinas espirituais e não conseguem entender a lógica por trás dos procedimentos, dos símbolos e materiais utilizados e da escolha do momento ideal de agir. Para algumas pessoas tudo parece aleatório com se fosse fruto de um capricho do sacerdote ou da tradição e, então, caem na armadilha intelectual de que tudo seria “simbólico” e que o importante seria uma questão de “pensamento positivo”.

               Bem, basta refletir sobre a realidade do mundo e veremos que o tal pensamento positivo demonstra não funcionar para a maioria das pessoas que apesar de acreditarem nas suas metas, desejarem ardentemente alcançá-las e perseverarem em seus objetivos ...... conseguem pouquíssimos ou até mesmo nenhum resultado. Vemos então que não basta acreditar ou ter fé, é importante agir de forma adequada para colher os frutos planejados. Quem plantar uma mangueira não colherá morangos e se esta mesma mangueira for plantada num lugar de clima frio ou inadequado até mesmo as mangas não serão colhidas ......

               É sensato pensarmos que a ação adequada (para atingir uma meta) é aquela sintonizada com o objetivo a ser alcançado da mesma forma que um resultado especifico é obtido pela operação matemática que lhe corresponde. Nos Tantras as quatro metas de uma encarnação num corpo humano são chamadas de Purusharthas. Estes são a realização de Dharma, de Artha, de Kama e, ao final, de Moksha, ou seja, alcançar a Libertação Final. Os rituais são as ações adequadas para alcançar os três primeiros objetivos e preparar o caminho para o consecução da Libertação Final. As Pujas, recitações de Mantras, cerimônias de fogo, Samskaras e outros ritos são matematicamente harmoniosos e simbólicamente significativos para o alcance dos resultados desejados.

               Esta harmonia matemática, esta precisão, é recomendada sempre que se lida com forças reais mesmo que estas sejam muito sutis ou até mesmo diretamente imperceptíveis (Adrshya) como é o caso da Força Espiritual (Shakti). O efeito de uma ação ritual não é diretamente perceptível – se fizermos um ritual para a prosperidade não cairá dinheiro do céu sobre nossas cabeças – este efeito é observável apenas pelos seus resultados. Estes resultados se manifestam através dos canais e processos materiais conhecidos e muitos vezes são chamados de “sorte”. O leigo vê ali “magia” ou um “milagre” mas o iniciado sabe que o efeito obtido está em harmonia com as ações rituais realizadas para atingi-lo. Por isso tudo foi feito com a maior precisão possível em termos de ação (Kriyas), materiais (Dravyas), momento adequado (Muhurta) e outros detalhes.

               Segue abaixo um vídeo com exemplos do uso de proporções matematicamente harmoniosas e os resultados obtidos. A Divindade é Sat – Verdadeira, Chit – Plena de Consciência e Percepção, e Ananda – Agradável, ou seja, esteticamente harmoniosa. Os objetos sagrados são aqueles que possuem Sattva Guna, ou seja, são capazes de perpetuar a sua exata proporção indefinidamente. Matematicamente precisos. 



Que Mãe Kali nos abençoe.  


3 comentários:

Anônimo disse...

Gosto muito de seu blog. Obrigada por sempre partilhar conteúdo de qualidade

Anônimo disse...

Como encontrar um mestre espiritual tradicional? Busco há tantos anos...
O máximo que tive contato foi com mestres new age, longe de qualquer tradição devidamente fundamentada. O senhor teria alguma dica?

Rudrananda Sarasvati disse...

Há vários orientadores focados em suas tradições e que já estão realizando suas obras. No outro lado desta mesma moeda o devoto deve ter clareza do que procura e a benção de reconhecer a grama quando pisa sobre ela. Vide o texto "Poder de Consagração" ( http://www.kaulatantra.com.br/2017/03/o-poder-de-consagracao.html ). Todo Guru é apenas um aspecto do Senhor Shiva, recite um Mantra dele e peça para reconhecer o que você procura quando o encontrar. Jaya Maa.