terça-feira, 24 de novembro de 2020


 

A jornada da vida é semelhante entre todos os seres. Os animais sentem fome e se alimentam. Já os homens também sentem fome mas, ao se alimentar, se elevam através da beleza, da racionalidade e da disciplina utilizando-se da arte da culinária.


Da mesma forma qualquer animal possui “espiritualidade” mas apenas o homem consegue elevá-la às alturas e transformá-la na arte da RELIGIOSIDADE.

quinta-feira, 12 de novembro de 2020

Ashta Matrkas


 

Quem são as oito mães divinas (Ashta Matrkas), as protetoras da tradição Tântrica, e quais são as suas funções ?

 

Namaste, a palavra “Matrka” vêm da língua Sânscrita e significa mãe. Este termo é relevante pois estas Matrkas geram condições propicias as disciplinas espirituais (Sadhanas) que serão realizadas num determinado ambiente.

 

Segue um pequeno resumo com seus nomes e atributos:

 

Brahmani - Força espiritual da Criação (Brahma). Ao Leste.

É visualizada montada sobre um cisne branco. Rege a geração e a diversidade. Purifica e traz méritos espirituais (Punya).

 

Maheshvari - Força espiritual de Transmutação (Maheshvara).

Monta um touro branco. Grande iniciadora que consagra as iniciativas espirituais e garante o fruto das disciplinas espirituais (Sadhanas).

 

Kaumari - Força espiritual de Determinação (Kumara). Ao Sul.

Monta um divino pavão e rege a superação dos obstáculos e a capacidade de agir com estratégia, firmeza e clareza mental.

 

Vaishnavi - Força espiritual de Preservação (Vishnu).

Vem montada sobre Garuda, metade homem metade águia. Protege o Dharma e suas práticas – os Yajñas. Traz méritos espirituais.

 

Varahi - Força espiritual de Preservação deste Planeta (Varaha). Ao Oeste.

Monta um bufalo negro. Grande guerreira e protetora. Responsável pela retorno Kármico das atividades contrárias ao Dharma.

 

Indrani - Força espiritual de Nobreza de Espirito (Indra).

É visualizada montada sobre um elefante branco. Releva o carater de celebração de todos os ritos. Traz alegria, positividade e amor pela vida.

 

Chamunda - Força espiritual da Energia Feminina (Chandi). Ao Norte.

Monta um chacal ou um cadáver. É a essência de Shakti em sua forma irada. Destruidora dos Asuras e Grande guerreira.

 

NaraSimhi - Força espiritual de Bravura (NaraSimha).

Se apresenta montada sobre um leão, sendo que Ela própria é representada como uma mulher com cabeça de leão. Livra dos males do espirito.

 

A sintonia com estas oito Matrkas é estabelecida logo no inicio de qualquer disciplina espiritual. Ela é feita através da recitação de seus Mantras, sua visualização e da oferta de gratidão (Dravyas). A gratidão não se demonstra com improvisação verbal ou habilidade retórica mas sim com algo sólido e palpável que reafirma a realidade de nossas intenções. A oferta de uma flor (ou pétalas), oblação de agua (Tarpana), oferta de lamparinas (ou velas) ou incenso são maneiras simples de interagir com as Matrkas através das forças elementais e dos nossos sentidos (Jñanendriyas), evitando assim a adoração insipida, de mãos vazias.

sábado, 10 de outubro de 2020

Nome Espiritual

 

Namaste,

 

Todo ser humano desempenha diversas “funções” em sua vida. Cada uma destas funções mostra uma faceta especializada, especifica e focada numa determinada ação e pode variar conforme o momento (tempo) e o local (espaço).

 

Um determinado homem chamado “João”, por exemplo, assume várias funções e é reconhecido entre aqueles que apreciam suas ações pelo nome usado naquelas circunstancias. João é chamado carinhosamente de “filho” por seus pais e atende à este nome; entre seus amigos é chamado de “camarada”; quando está em seu trabalho ministrando aulas ele é chamado atenciosamente de “professor” pelos seus alunos e quando chega em casa sua esposa o beija e diz: “meu amor”.

 

Entender a função dos nomes que recebemos sob determinadas circunstancias da vida demonstra a capacidade do ser humano em adaptar-se àqueles momentos e locais e, conseqüentemente, a sua aptidão em cumprir aquilo que é esperado dele. Qual é o homem que não se colocaria em prontidão diante da voz de sua filha gritando “Pai !” ? Qual seria o bombeiro em serviço que não voltaria sua atenção à um chamado de socorro ?

 

O nome espiritual que recebemos em nossa iniciação também demonstra uma vocação e uma função e a nossa interação com este nome demonstra o quanto estamos adaptados e aptos à cumprir a função de executar o Dharma. Atender por este nome demonstra reconhecer o chamado espiritual que evoca a nossa Força de agir e a nossa Shakti pessoal.

 

O uso do nome espiritual revela mais sobre aquele que fala (age) do que sobre aquele que responde (contempla e reage). O uso do nome civil (publico) em ambiente espiritual nos remete à vida que deixamos (ou deveríamos ter deixado) lá fora. Aquela vida de preocupações, anseios e limitações.

 

Em nossas Sadhanas ou interagindo com os colegas de jornada espiritual a nossa perspectiva deve ser a de alguém alinhado com a Divindade e suas manifestações, canalizador de Força Espiritual e agente atuante que constrói o seu destino. A Sadhana e o Kula (família espiritual) devem ser o nosso ponto de (re)carregar nossas baterias para que possamos voltar renovados as batalhas do mundo. Que descanso e fôlego encontraremos se trouxermos para dentro de nosso momento e espaço de comunhão com a Divindade aqueles aspectos (e nomes) que deveríamos ter deixado lá fora ?

 

É bastante simples e fácil compreender as diferentes ações destinadas à diferentes momentos ou espaços do plano físico. Ninguém cozinha no banheiro ou faz suas necessidades no meio da cozinha. Entretanto a compreensão daquilo que não é perceptivelmente visto ou palpável exige um pouco mais de nossa atenção, sensibilidade e disciplina. Características estas que ajudam o homem ou a mulher à tornarem-se verdadeiros Sadhakas (masc.) ou Sadhikas (fem.), ou seja, aqueles que são eficientes na realização de seus anseios espirituais.