terça-feira, 15 de maio de 2018

Conteudo do MahaNirvana Tantra


             A melhor referência para um estudo acadêmico do Tantra é encontrada nos seus próprios registros literários. Uma boa referencia para os estudos evitará a assimilação de conceitos equivocados e distantes da realidade.

             Uma das principais escrituras do Kaula Tantra é o MahaNirvana Tantra que aborda temas variados que vão desde a criação do Universo e a justificativa filosófica para a adoração de Shakti até os rituais mais importantes e as disciplinas espirituais prescritas.

             Para se ter uma idéia do conteudo tratado nessa escritura segue o seu indice em lingua Portuguesa:


Conteúdo do MahaNirvanaTantra

Capítulo 1 : Questões relativas á liberação dos seres.

1-10 : Descrição do monte Kailâsa e de SadâShiva, 11-50 : Devî ora e recebe permissão para questionar SadâShiva. Depois de descrever os modos das quatro eras  - Satya , Tretâ , Dvâpara e Kali, 51-74 e as diferentes disposições dos homens - Pashu , Divya ,Vîra  - e os perigos que acompanham  a Vîrasâdhana, Devî pergunta sobre os meios de liberação dos homens da presente Era.


Capítulo 2 : Introdução à adoração de Brahman.

1-6 : Em resposta às perguntas de Devî , SadâShiva fala da incompetência dos homens da presente era para a realização de rituais vaidikos e paurânikos ,7-20 : e afirma que o Tantra é o único meio de liberação. 21-29 : O motivo da existência de diferentes Tantras e Sampradâyas. 30-31 : Louvor ao MahâNirvânaTantra. 32-54 : Brahman.


Capítulo 3 : Descrição da adoração do supremo Brahman.

1-13 : Devî  pergunta sobre a sâdhana do supremo Brahman. 14-30 : Louvor ao Brahman-mantra . 31-38 : Significado e Chaitanya do Brahman-mantra. 39-43 : Nyâsa. 44-49 : Prânâyâma. 50 : Dhyâna. 51-52 : Adoração mental. 53-58 : Adoração externa. 59-63 : Hino das cinco jóias ( PañcaratnaStotra ). 67-73 : Mantra protetor      ( Kavaca ). 74 : Mantra. 75 : Necessidade da pureza de disposição. 76-95 : Santidade das oferendas feitas à Brahman. 96-104 : A conduta do Brahman-Sâdhaka. 105-108 : Sandhyâ. 109-113 : Gâyatrî. 114-119 : Purashcarana. 120-141 : Necessidade e forma da iniciação. 142 : A competência de todos para a iniciação no Brahman-mantra. 143-154 : Louvor ao Brahman-mantra.


Capítulo 4 : A adoração de Shakti.

1-8 : Devî pergunta sobra a sâdhana de Shakti ou suprema Prakrti. 9-18 : Svarûpa da suprema Shakti. 19 : Ausência de Pashu e Divya na era atual. 20-21 : Ausência de siddhi sem o Kulâcâra. 22-23 : Pureza e impureza. 24-37 : Criação, preservação e dissolução estão em Shakti. 38-46 : Louvor ao Kulâcâra. 47-55 : Sinais do kaliyuga. 56-66 : Aqueles que o kaliyuga não pode subjugar. 67-79 : Os escravos do kaliyuga. A grandeza da sinceridade durante o kaliyuga. 80-106 : Todos os rituais devem ser realizados de acordo com as injunções Âgamikas.


Capítulo 5 : A revelação dos mantras , estabelecimento da kalasha  e  purificação dos elementos de adoração.

1-8 : Louvor à Shakti e à sua sadhana.  9-20 : Mantra de ÂdyâKâlî. 21-24 : Pañcatattva. 25-70 : Rituais matinais , meditação, obediências ao Guru , ablução, Devî-gâyatrî etc. 71-179 : Puja e nyâsas ; meditação em ÂdyâKâlî , seu yantra e adoração mental. 180-190 : A jarra de néctar, feita de diferentes materiais para diferentes objetivos. 191-205 : Purificação do vinho. 206-208. Purificação da carne. 209-210 : Purificação do peixe. 211-212 : Purificação dos grãos.


Capítulo 6 : Rituais , homa e formação do Chakra.

1-10 : Diferentes tipos de vinho, carne , peixe e grãos. 11-13 : Shuddhi. 14 : Maithuna. 15-20 : Purificação de Shakti. 21-62 : Shrîpâtra e partilha de alimentos e bebidas consagrados.  63-77 : Meditação, orações, e boas vindas à Kâlî. 78-86 : As dezesseis oferendas. 87-97 : Mantras das oferendas. 98-104 : Oferenda ao Guru , às Mâtrs , Bhairavas etc. 105-118 : Descrição dos rituais de sacrifício. 119-161 : Homa. 162-165 : Purnâhuti. 166-186 : Japa, Stava, Kavaca e adoração do rosário. 187-200 : Continuação do Chakra.


Capítulo 7 : Hino ( Stotra ) e amuleto ( Kavaca ).

1-7 : Devî pergunta . 8-54 : Hino dos cem nomes e sua grandeza. 55-74 : Kavaca ou mantra protetor e sua grandeza. 75-91 : Purashcarana. 92-94 : Necessidade dos rituais  e quando estes podem ser dispensados. 95-101 : Descrição do Kula  e do kulâcâra.
102-111 : Características do Pañcatattva.


Capítulo 8 : O Dharmma e os costumes das castas e âshramas.

1-20 : Descrição de Varna e Âshrama. 21-75 : Deveres dos chefes de família. 76-81 : Sandhyâ. 82-93 : Rituais Tântrikos e Vaidikos. 94-95 : Jejum e caridade. 96-97 : Dias sagrados. 98-101 : Peregrinação. 102-107 : Deveres das mulheres. 108-109 : Alimentos. 110-117 : Deveres das castas. 118-132 : Deveres dos governantes. 133-142 : Agricultura e comércio. 143-150 : Deveres dos funcionários. 151-152 : Casamento. 153-203 : Descrição do Bhairavî Chakra. 204-220 : Descrição do TattvaChakra. 221-284 : Ascetas. 285-287 : Necessidade da adoração ritual. 288-290 : ...apesar da liberação não ser obtida através dela.


Capítulo 9 : Os dez sacramentos .

1-13 : Os dez sacramentos ( Samskâra ). 14-39 : Kushandikâ. 40-45 : DhârâHoma. 46-50 : Svishta-Krt Homa. 51-56 : VyâhrtiHoma. 57-70 : ShântiKarma. 71-84 : CaruKarma. 85-106 : Rtu Samskâra. 107-116 : Garbhâdhâna. 117-127 : Pumsavana. 128-130 : Pañcâmrta. 131-138 : Sîmantonnayana. 139-145 : JâtaKarma. 146-157 : Nâmakarana. 158-164 :Niskrâmana. 165-170 : Annaprâshana. 171-185 : Chûdâkarana. 186-230 : Upanayana. 231-284 : Udvâha.


Capítulo 10 : Rituais, ritos fúnebres e iniciação.

1-5 : Vrîddhi Shâddha e Kushandikâ. 6-10 : Consagração de fontes, imagens, casas e jardins. 11-74 : Vários Shrâddhas. 75-78 : Período de impureza. 79 : Cremação. 80 : Proibição do Satî. 81 : Enterro. 82-94 : Ritos fúnebres. 95-96 : Homenagem ao Kaulika. 97-98 : Dias para cerimônias. 99-100 : Construção ou entrada em novas residências. 101-103 : Adoração à Deidades. 104-108 : Adoração aos Kaulas. 109-199 : Iniciação de um Kaula. 200-201 : Guru. 202-212 : Pashu, Vîra e Kaula.


Capítulo 11 : Atos expiatórios.

1-4 : Devî pergunta. 5-11 : Shiva louva Devî. 12-17 : Shiva fala á respeito do demérito. 18-103 : Punição governamental à vários crimes. 104 : Até o KulaDharma , seguido indevidemente, pode levar ao demérito. 105-123 : Consumo excessivo de vinho. 124-133 : Alimentação incorreta e assédio sexual. 134-142 : Assassinato de animais. 143 : A matança deve ser evitada, à não ser em sacrifícios. 145-146 : Linguagem inadequada. 147-148 : Viagens. 149-151 : Jejum. 152-155 : Maus hábitos e doenças. 156-162 : Impureza por morte. 163-168 : Purificações.


Capítulo 12 : O Dharma eterno.

1-66 : Legislação. 67-74 : Períodos de impureza. 75-80 : Adoção.81-82 : Impureza em caso de morte. 83-87 : Desaparecimento. 88-92 : Herança. 93-96 : Doação. 97-115 : Aquisição de bens. 116-117 : Direitos sobre a agua. 118-123 : Vendas e sociedade. 124-127 : Formas de casamento. 128-129 : Dharma.


Capítulo 13 : Instalação da Deidade.

1-13 : Mahâkâlî. 14-22 : Imagens. 23-28 : Dedicação de templos, pontes, árvores, jardins e fontes. 29-41 : Oferendas às Deidades e suas recompensas. 42-125 : Ritual de dedicação. 126-135 : Mantras para consagração. 136-137 : Adoração do Vâhana e das Deidades. 138-310 : Ordem dos rituais e seus mantras.


Capítulo 14 : Consagração e Avadhûtas.

1-25 : Adoração ao Shiva-linga. 26-29 : Adhivâsa. 30-31 : Banho da Deidade. 32-38 : Nyâsa e Dhyâna. 39-94 : Rituais à várias Deidades. 95-102 : Falhas na adoração. 103-110 : Tipos de ação. 111-140 : Somente o conhecimento garante a liberação. 141-172 : Avadhûtâs. 173-178 : Adoração ao Kaula. 179-193 : KulaDharma. 194-211 : Frutos da leitura deste Tantra.  

 


 




sábado, 5 de maio de 2018

Datas Auspiciosas do mês de Maio de 2018



Aspectos Gerais:


Os Adityas responsáveis por esta estação, Sharat (outono), são:

Vivasvat – seu nome significa aquele que brilha ou resplandece. Ele representa os costumes ancestrais que moldam as culturas e sociedades e lhes garante uma perspectiva significativa. Ele também representa os direitos e a moralidade. 

Vishnu – no texto sagrado do Rig Veda, Vishnu é mencionado como um dos Adityas e representa ”aquilo que permeia”, que “está em todos os lugares”. Ele também é um personificação do conhecimento. 

Sob esta regência o momento é propicio parabuscar conhecimento e aprimoramento em nossas carreiras, relações familiares e interação com a comunidade.

Durante o periodo Védico os Adityas são a personificação dos conceitos morais e éticos, nascidos da Grande Deusa Aditi. Eles são 12 ao todo, sempre em pares, um rege a inter-relação entre os homens e o outro rege a relação entre os homens e as formas da Divindade. Eles nos sugerem as virtudes que deveríamos cultivar no período. Num periodo tardio estes adityas passaram à ser identificados como formas do Deus Sol, Surya Deva.

Duvidas ? entre em contato com o Rudra - rudrananda@kaulatantra.org



Para o seu bem-estar e prosperidade:



विष्णुः शिवोगणेशोर्कोदुर्गा पञ्चैवदेवताः 
आराध्याः सिद्धिकामेन तत्तन्मन्त्रैर्यथो दितम्  १०२ 
viṣṇuḥ śivogaṇeśorkodurgā pañcaivadevatāḥ   |
ārādhyāḥ siddhikāmena tattanmantrairyatho ditam   || 102   ||

“ O Senhor Vishnu, Shiva, Ganesha, Surya Deva e a Deusa são as cinco Deidades que, quando propiciadas através dos Mantras, garantem a realização de todos os desejos. “
Mantra MahoDadhi, capitulo I, verso 102

Existem dias que são especiais para a realização de disciplinas espirituais pois neles acontecem momentos astrológicos específicos que aumentam os méritos (Punya) adquiridos pelas ações executadas. As ações de gratidão (Puja, Homa e outras) podem ser feitas nestes dias para obter um resultado ainda mais favorável.

Os devotos que desejam progredir em suas atividades profissionais, familiares e pessoais devem agradecer através da meditação e das ofertas de gratidão (Dravyas). Para aqueles que não possuem interesses com as coisas do mundo, ex. celibatários e monges, o agradecimento pode ser feito apenas recitando os Mantras mentalmente.

Há cinco dias muito auspiciosos para a celebração do dom da vida (Yajña). Seguem abaixo as datas de Yajña, o ideal de perfeição à ser atingido (Devata) em cada uma dessas datas, as palavras de poder (Mantra) e a oferta de gratidão (Dravya). .  

Chaturthi, dia 18 – Dia de remover os obstáculos que para garantir o sucesso em todos os empreendimentos. Mantra: गणेशाय नमः  “Om Gaṇeśāya Namaḥ  recitado 108 vezes. Dravya: doces, sucos, frutas, flores vermelhas.

Saptami, dia 21 – Dia de agradecer pela boa saúde, boa reputação e harmonia. Mantra: सूर्यदेवाय नमः  “Om Sūryadevāya Namaḥ”  recitado 108 vezes.
Dravya: grãos de arroz, agua fresca, flores vermelhas.

Ashtami, tarde do dia 21 até 12:00hs do dia 22 – Dia de se fortalecer pra obter alegrias na vida e a Liberação Espiritual (Moksha). Mantra: काल्यै नमः  “Om Kālyai Namaḥ” recitado 108 vezes.
Dravyas: lamparina de cânfora, agua perfumada com cânfora, flores vermelhas (Hibisco).

Ekadashi, dia 24  – Dia de lembrar os mais altos ideais: o Yajña e as austeridades espirituais. Mantra: विष्णवे नमः  “Om Viṣṇave Namaḥ” recitado 108 vezes. Dravya: folhas de Tulasi (um tipo de manjericão), leite, flores amarelas.

Chaturdashi, dia 27 – Dia de meditar como um benéfico observador de todas as ações. Mantra: नमः शिवाय  “Om Namaḥ Śivāya” recitado 108 vezes.
Dravya: leite, iogurte natural, folhas de Bilva (Aegle Marmelos), flores brancas

.गणेशम् पूजयेतस्तु विग्नस्-तस्य बाधने
gaṇeśam pūjayetastu vignas-tasya bādhane  ||

आरोग्यार्थार्चयेत् सूर्यम् धर्म मोक्शाय माधवम् 
शिवम् धर्मार्द्ध मोक्शाय चथुर्-वर्गाय चन्दिकामिति  
ārogyārthārcayet sūryam dharma mokśāya mādhavam   |
śivam dharmārddha mokśāya cathur-vargāya candikāmiti    ||

“ Aquele que adora Ganesha tem seus obstáculos superados. Para a saúde e obter os meios de sustento(Artha) deve-se adorar Surya Deva.  Vishnu garante a realização do Dharma e obtenção da Liberação Final (Moksha). Shiva garante o Dharma, a abundancia e a Liberação Final. A Deusa garante os quatro objetivos da vida humana: Dharma, Artha, Kama e Moksha. “
Padma Purana.



Para a sua Saúde:


Os três biotipos reconhecidos pelo Ayurveda são Kapha, Pitta e Vata e cada pessoa apresenta uma particular distribuição destes três. Á cada período do ano, de acordo com as mudanças de temperatura, umidade, exposição a luz solar etc ... estes Doshas podem acumular-se, agravar-se ou aliviar-se. Para manter o equilíbrio são recomendados alimentos apropriados e práticas espirituais especificas. Neste mês os Doshas da Medicina Ayurvédica sofrem a seguinte influencia:

Vata: há um alivio dos sinais de Vata Dosha nesta estação e o consumo moderado de alimentos adocicados pode ser tolerado.
Pitta: agrava-se e neste momento é recomendável que se evitem as pimentas e os temperos muito fortes. Variações em Agni (“fogo” gástrico/apetite) são possiveis.
Kapha: estabiliza-se e  não exige maiores cuidados nesta estação.

Para identificar seu biótipo procure um terapeuta Ayurvédico de sua confiança.



Para as Sadhanas e práticas inicáticas:


Para os Sadhakas iniciados as escrituras Tantricas dão uma lista de ocasiões auspiciosas para suas disciplinas espirituais.

कृष्णाष्टमीचतुर्द्दश्यावमावास्याथ पूर्णीमा।
संक्रान्तिः पञ्च पर्वाणि तेषु पुण्यदिनेषु च॥ ८॥
kṛṣṇāṣṭamīcaturddaśyāvamāvāsyātha pūrṇīmā |
saṁkrāntiḥ pañca parvāṇi teṣu puṇyadineṣu ca || 8 ||

“ O oitavo, o décimo-quarto e o Amavasya da quinzena escura, a lua cheia, e o dia de transição do Sol entre os signos são as cinco ocasiões auspiciosas para adoração. "
Kularnava Tantra, capítulo X verso VIII.

Em Maio de 2018, conforme a Astrologia Védica, estes dias auspiciosos serão:

dia 28- Purnima (Lua cheia);
dia 07 – Ashtami (oitavo dia da quinzena escura);
dia 13 – Chaturdashi (décimo-quarto dia da quinzena escura);
dia 14 – Amavasya (“Lua Negra”, a noite mais escura do mês lunar);

OBS.: Neste mês não haverá Samkranti pois é um mês Adhika.



Para o Sankalpa, a identificação do local e momento de cada ação:



Mês Védico
O mês Védico é usado para estabelecer a data correta de ritos e práticas espirituais. Ele se inicia logo após a Lua Nova e termina na Lua Nova seguinte. Ele é dividido em duas quinzenas: a quinzena clara (Shukla Paksha) que vai da Lua Nova até a Lua Cheia e a quinzena escura (Krishna Paksha) que vai da Lua cheia até a Lua Nova seguinte.

Mêses Védicos: Vaishaka - do dia 01 até o dia 14. Jyeshtha (Adhika)* – à partir do dia 15 até o fim do mês.
* Os meses Adhika são meses extras adicionados ao ano lunar de forma que ele fique alinhado ao ano solar.

Ano Védico
O ano Védico (Samvatsara) tem sido contato por dois eventos principais: ou o momento no qual o Senhor Krishna deixou seu corpo em 18 de Fevereiro de 3102 a.c.(data correspondente no calendário ocidental contemporaneo), ou seja, o inicio da Era de Ferro (Kali Yuga) ou a vitória na guerra contra os inimigos do Dharma durante o reinado do rei Vikram Aditya que viveu de 102 a.c. até 15 d.c.

Ano 5119 do Kali Yuga.
Ano 2074 de Vikram Mitra.

quarta-feira, 4 de abril de 2018

Elegibilidade ao PanchaMakara



Elegibilidade ao PanchaMakara


Texto de Swami Samarpanananda da Universidade Vivekananda do RamaKrishna Mission.



          A popularidade do Tantra está na sua promessa “de não apenas Liberação (Mukti) mas também Desfrute (Bhukti), não apenas a Beatitude Final (Niḥśreyasa) mas também Progresso (Abhyudaya)”. Infelizmente, Bhukti foi interpretada por alguns como “licenciosidade”. Este ponto de vista é fortalecido pelo esoterismo Tantrico cujo Pancha Makara – que inclui vinho, carne, peixe, frituras e sexo ritual (1) – atingiu considerável notoriedade. Este ritual, entretanto, é prescrito apenas para um grupo muito seleto de adeptos que foram certificados por seus Gurus como aptos a colocar à si mesmos sob circunstancias tentadoras enquanto simultaneamente mantém o foco no Divino. Somente isso faz deste ritual aparentemente amoral um ato espiritual.



          O Kularnava Tantra declara: “Se Siddhis (2) fossem obtidos por beber vinho, todos os bêbados caídos os teriam obtido. Se somente o consumo de carne levasse ao mérito religioso então todos os comedores de carne partilhariam do mérito; se o ato sexual, Oh Grande Deusa, pudesse resultar em Moksha então todos os seres seriam liberados pela virtude deste ato” !



          O MahaNirvana Tantra explica os Pancha Makaras (5 Ms) como representantes dos cinco grandes elementos da natureza. Portanto o vinho representa o fogo; o peixe, a água; a carne o ar; as frituras a terra; e a cópula o éter. Ao oferecer estes à Mãe Divina, o adepto está na verdade adorando-A através de seus elementos criadores. Os aspirantes com temperamento animal (3) são extrovertidos e movem-se de acordo com a “corrente de exteriorização”, acumulando mérito e demérito (4) através das atividades mundanas. Eles ainda não se elevaram sobre o senso comum das convenções, nem cortaram as três amarras do “ódio, medo e vergonha” (5). Movidos pela paixão, eles são escravos das emoções: desejo, ambição, orgulho, ira, ilusão e inveja. Estes Sadhakas não são autorizados nem sequer a tocar os cinco ingredientes do ritual da mão esquerda. (6)



          Os aspirantes competentes para o arriscado ritual que usa os 5 Ms são chamados de “Vira” (7) . Eles tem a força interior para “brincar com o fogo” e queimar seus vínculos mundanos através dele. A Sadhana Tantrica no modo Vira, heróico, involve manter o próprio equilíbrio mesmo quando confrontado por objetos que incitam a ambição e o desejo. Estabelecidos num completo auto-controle, eles não se esquecem de si mesmos, mesmo nas circunstancias mais tentadoras. Ele tem um temperamento corajoso que inspira terror àqueles que cultivam tendências animais. Puros em seus motivos, gentis em sua fala, fortes em seus corpos, capacitados, corajosos, inteligentes, intrépidos e humildes, eles cultivam apenas o que é bom.





Tradução e comentários finais de Rudrananda Sarasvati



(1)   Os itens oferecidos à Deusa podem apresentar alguma variação de acordo com circunstancias especificas.



(2)   O Siddhi pode ser entendido como uma capacidade adquirida através da Sadhana ou o sucesso em atingir as metas da mesma.



(3)   Os Tantras classificam os aspirantes as suas disciplinas espirituais em três categorias: Pashu, Vira e Divya. Estes temperamentos correspondem a proporção dos Gunas atuantes em cada individuo. Para cada um há disciplinas especificas. O “temperamento animal” corresponde ao Pashu.



(4)   Toda ação gera mérito (Punya) ou demérito (Papa) enquanto o conhecimento de Brahman não é atingido. Após este estado a mente já não se liga à estes frutos.



(5)   Estas amarras (Pasha) são obstáculos à obtenção de Siddhi nas Sadhanas Tantricas e o Kularnava Tantra menciona oito delas.



(6)   Os ritos da “mão esquerda” (Vamachara) são um dos sete estágios das disciplinas espirituais do Tantra. Eles são prescritos para almas em seu momento de NiVrti (retorno à Divindade). Para as almas encarnadas num momento de PraVrti (conquista do plano material) há outros quatro estágios.



(7)   Em PraVrti há o Vedikachara, o Vaishnavachara, o Shaivachara e o Dakshinachara. Em NiVrti há o Vamachara, o Siddhantachara e o Kaulachara. Os quatro primeiros “Acharas” são recomendados ao temperamento Pashu, o Vama e o Siddhantacharas são recomendados aos Viras e o Kaulachara é prescrito para o Divya Sadhaka. Todos estes estágios estão prescritos no Kaula Dharma. “ Da mesma forma que as pegadas de todos os animais desaparecem dentro da pegada de um elefante, todos os Dharmas estão presentes no Kaula Dharma”. MahaNirvana Tantra, capitulo XIV verso 180.

domingo, 4 de março de 2018

Datas Auspiciosas dd Março de 2018

Aspectos Gerais:


Os Adityas responsáveis por esta estação, Varsha (chuvas), são:
Mitra – que representa a camaradagem e a solidariedade entre os homens. A amizade sincera e o satisfação das expectativas que temos sobre nossas amizades ; Isso implica no reconhecimento da sacralidade da palavra dita e na manutenção do que foi falado; e
Varuna – que representa as misteriosas leis dos Deuses, ou seja, os fatores e requisitos que tornam cada evento possível no plano físico.

Sob esta regência o momento é propicio para aprimorarmos nossas capacidades de determinação e cumprimento de nossas palavras e promessas. Dificilmente um homem vão ou leviano conseguirá se concentrar e perseverar em sua Sadhana, em suas disciplinas espirituais.

Durante o periodo Védico os Adityas são a personificação dos conceitos morais e éticos, nascidos da Grande Deusa Aditi. Eles são 12 ao todo, sempre em pares, um rege a inter-relação entre os homens e o outro rege a relação entre os homens e as formas da Divindade. Eles nos sugerem as virtudes que deveríamos cultivar no período. Num periodo tardio estes adityas passaram à ser identificados como formas do Deus Sol, Surya Deva.

Duvidas ? entre em contato com o Rudra - rudrananda@kaulatantra.org



Para o seu bem-estar e prosperidade:



विष्णुः शिवोगणेशोर्कोदुर्गा पञ्चैवदेवताः 
आराध्याः सिद्धिकामेन तत्तन्मन्त्रैर्यथो दितम्  १०२ 
viṣṇuḥ śivogaṇeśorkodurgā pañcaivadevatāḥ   |
ārādhyāḥ siddhikāmena tattanmantrairyatho ditam   || 102   ||
 
“ O Senhor Vishnu, Shiva, Ganesha, Surya Deva e a Deusa são as cinco Deidades que, quando propiciadas através dos Mantras, garantem a realização de todos os desejos. “
Mantra MahoDadhi, capitulo I, verso 102

Existem dias que são especiais para a realização de disciplinas espirituais pois neles acontecem momentos astrológicos específicos que aumentam os méritos (Punya) adquiridos pelas ações executadas. As ações de gratidão (Puja, Homa e outras) podem ser feitas nestes dias para obter um resultado ainda mais favorável.

Os devotos que desejam progredir em suas atividades profissionais, familiares e pessoais devem agradecer através da meditação e das ofertas de gratidão (Dravyas). Para aqueles que não possuem interesses com as coisas do mundo, ex. celibatários e monges, o agradecimento pode ser feito apenas recitando os Mantras mentalmente.

Há cinco dias muito auspiciosos para a celebração do dom da vida (Yajña). Seguem abaixo as datas de Yajña, o ideal de perfeição à ser atingido (Devata) em cada uma dessas datas, as palavras de poder (Mantra) e a oferta de gratidão (Dravya). .  

Chaturthi, dia 20 – Dia de remover os obstáculos que para garantir o sucesso em todos os empreendimentos. Mantra: गणेशाय नमः  “Om Gaṇeśāya Namaḥ  recitado 108 vezes. Dravya: doces, sucos, frutas, flores vermelhas.

Saptami, dia 23 – Dia de agradecer pela boa saúde, boa reputação e harmonia. Mantra: सूर्यदेवाय नमः  “Om Sūryadevāya Namaḥ”  recitado 108 vezes.
Dravya: grãos de arroz, agua fresca, flores vermelhas.

Ashtami, dia 24 – Dia de se fortalecer pra obter alegrias na vida e a Liberação Espiritual (Moksha). Mantra: काल्यै नमः  “Om Kālyai Namaḥ” recitado 108 vezes.
Dravyas: lamparina de cânfora, agua perfumada com cânfora, flores vermelhas (Hibisco).

Ekadashi, dia 27  – Dia de lembrar os mais altos ideais: o Yajña e as austeridades espirituais. Mantra: विष्णवे नमः  “Om Viṣṇave Namaḥ” recitado 108 vezes. Dravya: folhas de Tulasi (um tipo de manjericão), leite, flores amarelas.

Chaturdashi, dia 29 – Dia de meditar como um benéfico observador de todas as ações. Mantra: नमः शिवाय  “Om Namaḥ Śivāya” recitado 108 vezes.
Dravya: leite, iogurte natural, folhas de Bilva (Aegle Marmelos), flores brancas

.गणेशम् पूजयेतस्तु विग्नस्-तस्य बाधने ॥
gaṇeśam pūjayetastu vignas-tasya bādhane  ||

आरोग्यार्थार्चयेत् सूर्यम् धर्म मोक्शाय माधवम् 
शिवम् धर्मार्द्ध मोक्शाय चथुर्-वर्गाय चन्दिकामिति  
ārogyārthārcayet sūryam dharma mokśāya mādhavam   |
śivam dharmārddha mokśāya cathur-vargāya candikāmiti    ||

“ Aquele que adora Ganesha tem seus obstáculos superados. Para a saúde e obter os meios de sustento(Artha) deve-se adorar Surya Deva.  Vishnu garante a realização do Dharma e obtenção da Liberação Final (Moksha). Shiva garante o Dharma, a abundancia e a Liberação Final. A Deusa garante os quatro objetivos da vida humana: Dharma, Artha, Kama e Moksha. “
Padma Purana.



Para a sua Saúde:


Os três biotipos reconhecidos pelo Ayurveda são Kapha, Pitta e Vata e cada pessoa apresenta uma particular distribuição destes três. Á cada período do ano, de acordo com as mudanças de temperatura, umidade, exposição a luz solar etc ... estes Doshas podem acumular-se, agravar-se ou aliviar-se. Para manter o equilíbrio são recomendados alimentos apropriados e práticas espirituais especificas. Neste mês os Doshas da Medicina Ayurvédica sofrem a seguinte influencia:

Vata: Agrava-se e cuidados devem ser tomados com as vulnerabilidades de cada pessoa.
Pitta: acumula-se e neste momento é recomendável que se evitem as pimentas e os temperos muito fortes. Atividades “refrescantes” como nadar ou visitar rios e fontes ou caminhar sob a Lua cheia ajudarão a manter o equilíbrio.
Kapha: Acumula-se e  futuros problemas digestivos podem ser prevenidos aqui através da dieta adequada.

Para identificar seu biótipo procure um terapeuta Ayurvédico de sua confiança.



Para as Sadhanas e práticas inicáticas:


Para os Sadhakas iniciados as escrituras Tantricas dão uma lista de ocasiões auspiciosas para suas disciplinas espirituais.

कृष्णाष्टमीचतुर्द्दश्यावमावास्याथ पूर्णीमा।
संक्रान्तिः पञ्च पर्वाणि तेषु पुण्यदिनेषु च॥ ८॥
kṛṣṇāṣṭamīcaturddaśyāvamāvāsyātha pūrṇīmā |
saṁkrāntiḥ pañca parvāṇi teṣu puṇyadineṣu ca || 8 ||

“ O oitavo, o décimo-quarto e o Amavasya da quinzena escura, a lua cheia, e o dia de transição do Sol entre os signos são as cinco ocasiões auspiciosas para adoração. "
Kularnava Tantra, capítulo X verso VIII.

Em Marçoo de 2018, conforme a Astrologia Védica, estes dias auspiciosos serão:

dia 01- Purnima (Lua cheia);
dia 08 – Ashtami (oitavo dia da quinzena escura);
dia 14 – Sankranti (Sol entra no signo de Peixes / Mina);
dia 15 – Chaturdashi (décimo-quarto dia da quinzena escura);
dia 16 – Amavasya (“Lua Negra”, a noite mais escura do mês lunar);



Para o Sankalpa, a identificação do local e momento de cada ação:



Mês Védico
O mês Védico é usado para estabelecer a data correta de ritos e práticas espirituais. Ele se inicia logo após a Lua Nova e termina na Lua Nova seguinte. Ele é dividido em duas quinzenas: a quinzena clara (Shukla Paksha) que vai da Lua Nova até a Lua Cheia e a quinzena escura (Krishna Paksha) que vai da Lua cheia até a Lua Nova seguinte.

Mêses Védicos: Phalguni - do dia 01 até o dia 14. Chaitra – à partir do dia 15 até o fim do mês.

Ano Védico
O ano Védico (Samvatsara) tem sido contato por dois eventos principais: ou o momento no qual o Senhor Krishna deixou seu corpo em 18 de Fevereiro de 3102 a.c.(data correspondente no calendário ocidental contemporaneo), ou seja, o inicio da Era de Ferro (Kali Yuga) ou a vitória na guerra contra os inimigos do Dharma durante o reinado do rei Vikram Aditya que viveu de 102 a.c. até 15 d.c.

Ano 5119 do Kali Yuga.
Ano 2074 de Vikram Mitra.

quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

Shapa Vimochana


Shapa Vimochana


Na vida real todas as nossas decisões assim como todas as nossas ações geram frutos (KarmaPhala), alguns positivos e alguns indesejados ou, pelo menos, inoportunos. Por exemplo, a perseverança em guardar dinheiro para comprar uma casa implica em abdicar diariamente de certas coisas para que economizando, ao fim do processo, o fruto (a casa) seja alcançado. Uma vez que o fruto tenha sido alcançado podemos desfrutar da nova casa sem a necessidade de limites ao orçamento ou buscar atingir novas metas.

Cientes da necessidade de adaptação e de agir de forma apropriada a cada periodo de tempo diferente os Tantras prescrevem várias “purificações” (Shodhana) para momentos ou situações especificas de forma que o adepto, o Sadhaka, possa atingir o máximo de sua performance.

Os procedimentos de Shodhana visam “blindar” o adepto diante da eventualidade de resultados inoportunos. A purificação deligentemente realizada garante que o fruto desejado, seja ele Kamya (uma realização mundana) ou Moksha (Libertação Final), seja mais facilmente atingido.

Entre os procedimentos de Shodhana há um chamado “Shapa Vimochana” (a “retirada” das repreensões). Este procedimento, feito através de Mantras específicos, visa trazer a reflexão o que é necessário para evitar frutos inoportunos. Há inúmeros Shapa Vimochanas que o adepto atento realiza em suas disciplinas espirituais e que garantem que as energias liberadas nos ritos não se tornem (auto)destrutivas e gerem demérito (Papa). 

Sem Shodhana e sem Shapa Vimochana não é possível praticar o Tantra em segurança. É o Guru que deve orientar estes procedimentos e garantir que seus alunos sejam bem-sucedidos e prosperem. 

Um exemplo de Shapa Vimochana são os Mantras usados antes da recitação diária do Gayatri Mantra do Rg Veda (Tat Savitur Varenyam ...). Este Mantra é considerado um dos mais auspiciosos do Dharma porém o que poucos sabem é que, nesta Era na qual vivemos - o Kali Yuga (Era da discórdia), este Mantra recebeu três repreensões divinas para evitar seu uso indevido. Uma foi feita pelo Senhor Brahma, o Deus da criação, por ter caido em tentação mesmo sendo um adepto da continua recitação deste Mantra. Uma outra foi feita pelo sábio (Rshi) Vasistha por ter recitado o Gayatri para obter o poder sobre o momento de reabsorção do Universo (Pralaya). E, por fim, esta recitação foi repreendida pelo próprio Rshi que revelou este Mantra ao mundo, VishvaMitra, para que não fosse usado por almas soberbas.

Estas repreensões agem como uma trava, uma "Kilaka", ao poder do Mantra. 

Jaya Maa.


Na gravura: Brahma é repreendido por Bhairava após ter cometido um ato de demérito (Papa) e, diante disso, lança uma outra repreensão (Shapa) sobre o que o levou a uma atitude inapropriada.

quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

Datas Auspiciosas de Fevereiro de 2018




Aspectos Gerais:


Os Adityas responsáveis por esta estação, Varsha (chuvas), são:
Mitra – que representa a camaradagem e a solidariedade entre os homens. A amizade sincera e o satisfação das expectativas que temos sobre nossas amizades ; Isso implica no reconhecimento da sacralidade da palavra dita e na manutenção do que foi falado; e
Varuna – que representa as misteriosas leis dos Deuses, ou seja, os fatores e requisitos que tornam cada evento possível no plano físico.

Sob esta regência o momento é propicio para aprimorarmos nossas capacidades de determinação e cumprimento de nossas palavras e promessas. Dificilmente um homem vão ou leviano conseguirá se concentrar e perseverar em sua Sadhana, em suas disciplinas espirituais.

Durante o periodo Védico os Adityas são a personificação dos conceitos morais e éticos, nascidos da Grande Deusa Aditi. Eles são 12 ao todo, sempre em pares, um rege a inter-relação entre os homens e o outro rege a relação entre os homens e as formas da Divindade. Eles nos sugerem as virtudes que deveríamos cultivar no período. Num periodo tardio estes adityas passaram à ser identificados como formas do Deus Sol, Surya Deva.

Duvidas ? entre em contato com o Rudra - rudrananda@kaulatantra.org



Para o seu bem-estar e prosperidade:



विष्णुः शिवोगणेशोर्कोदुर्गा पञ्चैवदेवताः 
आराध्याः सिद्धिकामेन तत्तन्मन्त्रैर्यथो दितम्  १०२ 
viṣṇuḥ śivogaṇeśorkodurgā pañcaivadevatāḥ   |
ārādhyāḥ siddhikāmena tattanmantrairyatho ditam   || 102   ||
“ O Senhor Vishnu, Shiva, Ganesha, Surya Deva e a Deusa são as cinco Deidades que, quando propiciadas através dos Mantras, garantem a realização de todos os desejos. “
Mantra MahoDadhi, capitulo I, verso 102

Existem dias que são especiais para a realização de disciplinas espirituais pois neles acontecem momentos astrológicos específicos que aumentam os méritos (Punya) adquiridos pelas ações executadas. As ações de gratidão (Puja, Homa e outras) podem ser feitas nestes dias para obter um resultado ainda mais favorável.

Os devotos que desejam progredir em suas atividades profissionais, familiares e pessoais devem agradecer através da meditação e das ofertas de gratidão (Dravyas). Para aqueles que não possuem interesses com as coisas do mundo, ex. celibatários e monges, o agradecimento pode ser feito apenas recitando os Mantras mentalmente.

Há cinco dias muito auspiciosos para a celebração do dom da vida (Yajña). Seguem abaixo as datas de Yajña, o ideal de perfeição à ser atingido (Devata) em cada uma dessas datas, as palavras de poder (Mantra) e a oferta de gratidão (Dravya). .  

Chaturthi, dia 19 – Dia de remover os obstáculos que para garantir o sucesso em todos os empreendimentos. Mantra: गणेशाय नमः  “Om Gaṇeśāya Namaḥ  recitado 108 vezes. Dravya: doces, sucos, frutas, flores vermelhas.

Saptami, dia 22 – Dia de agradecer pela boa saúde, boa reputação e harmonia. Mantra: सूर्यदेवाय नमः  “Om Sūryadevāya Namaḥ”  recitado 108 vezes.
Dravya: grãos de arroz, agua fresca, flores vermelhas.

Ashtami, dia 23 – Dia de se fortalecer pra obter alegrias na vida e a Liberação Espiritual (Moksha). Mantra: काल्यै नमः  “Om Kālyai Namaḥ” recitado 108 vezes.
Dravyas: lamparina de cânfora, agua perfumada com cânfora, flores vermelhas (Hibisco).

Ekadashi, dia 25 (após as 11hs)  – Dia de lembrar os mais altos ideais: o Yajña e as austeridades espirituais. Mantra: विष्णवे नमः  “Om Viṣṇave Namaḥ” recitado 108 vezes. Dravya: folhas de Tulasi (um tipo de manjericão), leite, flores amarelas.

Chaturdashi, dia 28 – Dia de meditar como um benéfico observador de todas as ações. Mantra: नमः शिवाय  “Om Namaḥ Śivāya” recitado 108 vezes.
Dravya: leite, iogurte natural, folhas de Bilva (Aegle Marmelos), flores brancas.



Para a sua Saúde:


Os três biotipos reconhecidos pelo Ayurveda são Kapha, Pitta e Vata e cada pessoa apresenta uma particular distribuição destes três. Á cada período do ano, de acordo com as mudanças de temperatura, umidade, exposição a luz solar etc ... estes Doshas podem acumular-se, agravar-se ou aliviar-se. Para manter o equilíbrio são recomendados alimentos apropriados e práticas espirituais especificas. Neste mês os Doshas da Medicina Ayurvédica sofrem a seguinte influencia:

Vata: Agrava-se e cuidados devem ser tomados com as vulnerabilidades de cada pessoa.
Pitta: acumula-se e neste momento é recomendável que se evitem as pimentas e os temperos muito fortes. Atividades “refrescantes” como nadar ou visitar rios e fontes ou caminhar sob a Lua cheia ajudarão a manter o equilíbrio.
Kapha: Acumula-se e  futuros problemas digestivos podem ser prevenidos aqui através da dieta adequada.

Para identificar seu biótipo procure um terapeuta Ayurvédico de sua confiança.



Para as Sadhanas e práticas inicáticas:


Para os Sadhakas iniciados as escrituras Tantricas dão uma lista de ocasiões auspiciosas para suas disciplinas espirituais.

कृष्णाष्टमीचतुर्द्दश्यावमावास्याथ पूर्णीमा।
संक्रान्तिः पञ्च पर्वाणि तेषु पुण्यदिनेषु च॥ ८॥
kṛṣṇāṣṭamīcaturddaśyāvamāvāsyātha pūrṇīmā |
saṁkrāntiḥ pañca parvāṇi teṣu puṇyadineṣu ca || 8 ||

“ O oitavo, o décimo-quarto e o Amavasya da quinzena escura, a lua cheia, e o dia de transição do Sol entre os signos são as cinco ocasiões auspiciosas para adoração. "
Kularnava Tantra, capítulo X verso VIII.

Em Fevereiro de 2018, conforme a Astrologia Védica, estes dias auspiciosos serão:

(Não há neste mês) - Purnima (Lua cheia);
dia 07 – Ashtami (oitavo dia da quinzena escura);
dia 12 – Sankranti (Sol entra no signo de Aquario / Kumbha);
dia 13 – Chaturdashi (décimo-quarto dia da quinzena escura);
dia 14 – Amavasya (“Lua Negra”, a noite mais escura do mês lunar);



Para o Sankalpa, a identificação do local e momento de cada ação:



Mês Védico
O mês Védico é usado para estabelecer a data correta de ritos e práticas espirituais. Ele se inicia logo após a Lua Nova e termina na Lua Nova seguinte. Ele é dividido em duas quinzenas: a quinzena clara (Shukla Paksha) que vai da Lua Nova até a Lua Cheia e a quinzena escura (Krishna Paksha) que vai da Lua cheia até a Lua Nova seguinte.

Mêses Védicos: Magha - do dia 01 até o dia 15. Phalguni – à partir do dia 16 até o fim do mês.

Ano Védico
O ano Védico (Samvatsara) tem sido contato por dois eventos principais: ou o momento no qual o Senhor Krishna deixou seu corpo em 18 de Fevereiro de 3102 a.c.(data correspondente no calendário ocidental contemporaneo), ou seja, o inicio da Era de Ferro (Kali Yuga) ou a vitória na guerra contra os inimigos do Dharma durante o reinado do rei Vikram Aditya que viveu de 102 a.c. até 15 d.c.

Ano 5119 do Kali Yuga.
Ano 2074 de Vikram Mitra.


segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Equivocos e Obstáculos na busca pela Divindade

(Na foto) Sacerdote protestante abençoa celular para que o crente fale direto com o deus.
  


               A decisão de estudar as escrituras (Shastras) e de se aprofundar no Dharma é muito positiva, porém devemos estar atentos a certas inconsistências de raciocínio que podem se transformar em obstáculos a compreensão do processo iniciático e a aproximação à Divindade.

               Essas inconsistências são constantemente repetidas e divulgadas de todas as formas e a contaminação do povo de mentalidade mais simples por conceitos equivocados acaba por influenciar toda a sociedade onde a propaganda proselitista é feita.

               Certas compreensões equivocadas e os obstáculos dai decorrentes se tornaram comuns no Ocidente e muitas vezes nem sequer percebemos o quão perniciosas elas são. Separamos as sete principais para que possamos sintonizar as nossas mentes com a Divindade e amadurecer em nossa devoção e disciplinas espirituais (Sadhanas). São eles:

  1. Interpretação não-fundamentada das escrituras (Sola Scriptura)
  2. Adoração Insípida
  3. Não reconhecimento das hierarquias Divinas
  4. Crença na benção invisível
  5. Crença na conversão e sacerdócio instantâneos
  6. Crença na doutrina da leviandade Divina
  7. Ignorância da Diversidade


               Oque é o obstáculo n. 1 ? (Interpretação não-fundamentada das escrituras)
O primeiro obstáculo pode ser entendido como a raiz dos demais males que podem tornar nosso estudo infrutífero. Ele se baseia numa idéia semelhante a fantasia de que a simples leitura de um site ou livro de engenharia ou de medicina poderia nos tornar engenheiros ou médicos. A deficiência deste raciocínio está em não perceber que há muito mais coisas envolvidas no cotidiano de um engenheiro, de um médico ou de um devoto ou sacerdote do que aquilo que poderia ser descrito em livros. A crença sem conhecimento (Jñana) e sem ação (Kriya) que comprove seus frutos (KarmaPhala) pode se tornar um instrumento de auto-ilusão.

Como evitá-lo ? As deficiências internas que devemos superar para não cair neste erro são a soberba e a preguiça. A primeira gera a crença de que a nossa limitada experiência de vida seria suficiente para entender todo o Universo e que não há nada a ser aprendido fora do nosso cotidiano e a segunda nos limita em nossa capacidade de pesquisar e nos aprofundar.

Quais seriam as alternativas ? Buscar a companhia de pessoas que se dedicam ao mesmo alvo de nossos estudos, ou seja, entrar em Satsanga. Da mesma forma que companhia de outros médicos auxilia o estudante de medicina a aprender o que a experiência dos mais velhos tem a ensinar.



               O que é o obstáculo n. 2 ? (Adoração Insípida)
O homem que busca resultados – age ! Esta ação usa os instrumentos necessários para que seja eficaz. Na comunhão com a Divindade há instrumentos que nos são muito propícios pois sintonizam nossas mentes com os mais altos ideais. O incenso, as frutas, flores e todo o aparato litúrgico reafirmam o caráter especial do momento de adoração. 
O segundo obstáculo é de ordem prática, ele surge devido a avareza e a preguiça na hora das práticas espirituais, sustentados pela fantasia de que a Divindade não interagiria com os fenômenos naturais e que Ela poderia ser facilmente enganada através do simples bla-bla-bla e discursos vazios.

Como evita-lo ? A falta de dedicação e de carinho e a idéia de que a Divindade seja algo supérfluo em nossas vidas faz com que não se valorize o local e o momento de estar em comunhão. Superar a avareza é o primeiro passo para não cair no erro da adoração insípida. A preguiça em tornar cada momento de nossas vidas um momento especial também deve ser superada. Como chamar um espaço de “altar” se este espaço está vazio ?

Quais seriam as alternativas ? A percepção da beleza e harmonia do mundo à nossa volta surge quando nos esforçamos em torná-lo um lugar melhor. O esforço de trazer belas frutas ao local de adoração, a queima de suave incenso e a visão do brilho das lamparinas tornam o nosso local de oração um lugar mais auspicioso e a percepção da presença da Divindade surge naturalmente ali.



               O que é o obstáculo n. 3 ? (Não reconhecimento das hierarquias divinas)
O terceiro obstáculo é a crença de que a Divindade interviria diretamente no mundo fisico, sem o uso das leis da natureza e sem intermediários. A idéia é semelhante a de uma criança que vê uma alimento na prateleira do supermercado e acredita que “ele nasceu ali”. Esta superficialidade de raciocínio ignora que há pessoas e processos envolvidos até que um resultado final seja visível. O que é feito no mundo é feito através do homem que é cidadão deste mundo, da mesma forma que os cidadãos de outras esferas da existência atuam em suas respectivas moradas.

Como evitá-lo ? A soberba em considerar a si-mesmo como o centro do Universo e o único com o qual a Divindade deveria se relacionar é a fraqueza que leva a este obstáculo. No plano social e humano essa fraqueza dá origem ao ciúme e a luxuria desmedida.

Quais são as alternativas ? Aquele que está vivo ....... interage. Os Deuses vivos interagem com suas hierarquias Divinas. Interagem com o meio e com seus semelhantes. A superação desta alienação, deste “autismo espiritual” onde as hierarquias Divinas são ignoradas é feita através do carinho e reconhecimento dos seres sutis que habitam o Universo conosco.



               O que é o obstáculo n. 4 ? (Crença na benção invisível)
Este obstáculo surge quando os resultados desejados não são alcançados após seguir a perspectiva equivocada baseada nos erros 1, 2 e 3. Diante do evidente fracasso e longa miséria mesmo após adorar o “deus de toda a prosperidade”, o crente atormentado não encontra outra saída à não ser mentir para si-mesmo. Há uma ruptura na percepção da realidade e surge então a fantasia de que, apesar da miséria, doença e da dor o crente seria “verdadeiramente abençoado”... A fé, pura e simples, não é garantia de eficácia. O bom remédio é aquele que cura e não aquele no qual se acredita cegamente.

Como evitá-lo ? A falta de compreensão do mundo à sua volta e de suas regras leva o crente à odiá-lo e qualifica-lo como “o inimigo”. Cria-se então a fantasia de que supostamente existiriam as “coisas do deus” e “as coisas do homem”. O ignorante não consegue perceber que o homem é o operário da Divindade sobre a Terra e o único capaz de, efetivamente, torná-la um lugar melhor. O ódio as regras Divinas e sociais e a inveja daqueles que são bem sucedidos levam a crença na “benção invisível” como uma ultima tentativa de se sentir especial e superior.

Quais são as alternativas ? Aquele que ama a Divindade e tenta compreende-la deve estar atento também para compreender o mundo a sua volta. Uma eventual auto-ilusão pode ser um terrível obstáculo e é importante manter-se lúcido e com bom senso em nossas buscas espirituais. A benção verdadeira está em cada uma de nossas ações e sair do Templo ou de uma Puja carregando as deliciosas frutas e belas flores (Prasada) que foram levadas para tornar aquele momento especial já é uma clara materialização das opulências da Divindade.



               O que é o obstáculo n. 5 ? (Crença na conversão e sacerdócio instantâneos)
A dificuldade em assumir responsabilidades pode levar algumas pessoas a acreditar que a simples votação em um presidente ou escolha de um “salvador” seria suficiente para acabar com todos os seus problemas. A crença de uma eventual salvação instantânea ou sacerdócio instantâneo se assemelha ao raciocínio do preparo de um copo de pó de refresco – tudo é muito rápido e imediato e nada é necessário além da vontade ..... e um pouco de água. ;) Sob esta perspectiva o assassino ou o estuprador pode tornar-se sacerdote logo após afirmar–se como tal, da mesma forma que uma criança se imagina o capitão do navio logo após colocar um chapeuzinho de marinheiro.

Como evitá-lo ? O desprezo pelo desenvolvimento de habilidades e o sentimento de superioridade levam à precipitação em afirmar-se algo que ainda não é. O amor próprio e o sincero desejo de progredir e melhorar como pessoa e como cidadão são sentimentos que evitam que essa crença equivocada se firme em nossas mentes.

Quais são as alternativas ? Há muitas maneiras de auto-realização e cada pessoa terá aquela que lhe tocará o coração de forma especial. Alguns se realizarão na harmonia com suas famílias, outros no sucesso profissional, há aqueles que buscam a manifestação daquilo que é belo e outros que buscam unir-se a Divindade. Todas essas maneiras são esforços válidos.



                O que é o obstáculo n. 6 ? (Crença na doutrina da leviandade Divina)
A dificuldade em entender a importância das leis naturais, como por exemplo a lei da gravidade e outras, e o papel de certas forças que existem desde o inicio do Universo levam a crer que as leis da Física ou da Biologia poderiam ser suspensas para atender aos caprichos do crente. Surge aqui a fantasia do “milagre”, algo sobrenatural que aconteceria somente para engrandecer o ego do suposto beneficiado. Na verdade essa crença é apenas afirmar uma infantil leviandade Divina, a idéia de que o deus seria algo como um menino emocionalmente imaturo que faria qualquer coisa por um pouco de bajulação.

Como evita-lo ? Ceder aos nossos caprichos e leviandade pessoais pode levar a idéia de que todo o mundo funcionaria da mesma forma – sem clareza, sem um alicerce firme, sem estabilidade. Um passo importante para levar a Divindade à sério é levar as nossas próprias vidas à sério. O homem que é firme em suas palavras não cairia no erro de imaginar um deus carente e afetado sujeito a todo tipo de enrolação.

Quais são as alternativas ? Ter paz de espírito nos traz a compreensão de que todos os fenômenos à nossa volta estão alicerçados na Divindade e que mesmo os fatos que ainda não conseguimos compreender em detalhes foram causados por leis Divinas sobre as quais ainda não refletimos. A precipitação de gritar “milagre” à cada panela de arroz que não queima ou a cada prestação paga do carro novo soa como um deboche diante das imensas opulências da Divindade que é muito maior do que isto tudo.



               Oque é o obstáculo n. 7 ? (Ignorância da Diversidade)
Homens diferentes possuem temperamentos (Bhava) e aptidões (Varna) diferentes. Isso é natural e é o que cria harmonia e bem estar á todas as sociedades. Imagine uma sociedade onde todos fossem padeiros ? Ninguém prosperaria. Um mesmo homem pode levar um estilo de vida (um Ashrama) diferente de acordo com o momento de sua existencia – ele pode ser um estudante dependente dos pais ou de outros (Brahmachari), o responsável por uma casa ou família (Grhasta) ou um celibatário (Samnyasi). Não há uma única luz que ilumine nossos corações, assim como não há um único caminho. A Verdade (Satya) se encontra no coração de cada um de nós e é revelada pela Sadhana, pelas disciplinas espirituais.

Como evitá-lo ? Observar a imensa variedade de maneiras de buscar o que é Divino. Os muitos nomes pelos quais a Divindade se manifesta. A riqueza dos diferentes pratos que são oferecidos nos altares e as muitas possibilidades de recitação das escrituras nos amadurecerá em nossa própria busca que é motivada de uma maneira é individual e única. Quando há o respeito por si mesmo surge o respeito pelo outro. Quando entendemos a nossa própria força não há porque temer a força do outro.